Nos Caminhos de Xavier e Conforti

Conforti

Dom Guido Maria Conforti

conforti-1

Nascido em Parma, na Italia, aos 30 de março de 1865. Faz seus primeiros estudos junto aos Irmãos das Escolas Cristãs. No breve trajeto rumo à escola, o pequeno Guido pára freqüentemente numa igrejinha para olhar o Crucifixo que domina o altar. Aos pés daquele crucifixo brota a vocação missionária.
Entra no seminário com 10 anos de idade. Logo se apaixona pela vida e pela obra de São Francisco Xavier e planeja continuar-lhe a missão: ir para a China. Sua saúde muito fragil, porém, não permite realizar seu sonho. Somente uma graça de Nossa Senhora possibilita a sua ordenação sacerdotal, em 1888.

Então, em 1895, Conforti, com apenas 30 anos de idade, decide fundar os xaverianos. Com a herança recebida após a morte do pai, compra uma casa onde reune um grupo de 17 seminaristas. Para o bom êxito do projeto, que ele mesmo julga temerário, Guido está disposto a dar o melhor de si mesmo.

Em 1902, é nomeado arcebispo de Ravenna e, em seguida, bispo de Parma. Conforti torna-se pastor de dois rebanhos: a diocese e a congregação xaveriana. Ele é um guia exemplar e incansável de sua igreja, mas nunca esquece de ser bispo para o mundo todo. Dedica-se com todas as forças à formação de seus missionários, ao envio deles para a China e ao crescimento da consciência missionária além-fronteiras no clero de toda Itália.

Com o Pe. Paulo Manna, funda a União Missionária do Clero. Em 1928, vai à China visitar os seus missionários. Peregrina por todos os postos mais avançados onde os seus filhos trabalham. Depois de uma vida dedicada inteiramente à missão, Conforti é chamado à Casa do Pai em 5 de novembro de 1931. Aos 17 de março de 1996, o Papa João Paulo II o proclama bem-aventurado.

HISTÓRICO DA COMUNIDADE DEDICADA AO BEATO GUIDO MARIA CONFORTI

A história da comunidade Dom Guido (como é popularmente conhecida) começa na Paróquia São Raimundo Nonato, a partir de vários fatos ocorridos desde quando essa paróquia era dirigida pela Congregação Xaveriana.

Essa congregação tem como fundador o Bem-Aventurado Guido Maria Conforti e, desde 1984, os seus missionários trabalhavam na Paróquia citada, da cidade de  Santa Luzia em Minas Gerais.

No dia 17 de março do ano de 1996, ocorreria a celebração de Beatificação de Guido M. Conforti e o Pe. Giancarlo Coruzzi, que estava na região naquela ocasião, conseguiu levar um grupo de representantes das comunidades da paróquia à Itália, no Vaticano. Um outro grupo de Minas Gerais, da cidade de Coronel Fabriciano, também teve a oportunidade de presenciar a beatificação, acompanhados pelo Pe. Camillo Didonè.

As pessoas que lá estiveram conheceram a vida, os lugares onde D. Guido passou, a sua missão em Parma e toda a sua história, e ficaram muito entusiasmados.

Voltando da Itália, Pe. Camillo Didonè, já pároco na Paróquia São Raimundo Nonato, deu continuidade ao projeto “Construir a Esperança”, da Arquidiocese de Belo Horizonte, que pedia que as paróquias fossem redes de pequenas comunidades, aproximando a palavra de Deus das pessoas, assim era mais fácil viver em fraternidade e comunhão, facilitando o surgir de novos ministérios e serviços.

No segundo semestre do 1997 o projeto tomou forma e se passou a realização. As primeiras experiências deram certo e animaram muito o povo.

Foi projetado um esboço, uma espécie de mapa da nova Paróquia como “comunidade de comunidades”, e durante este trabalho pastoral nasceu a idéia de colocar o nome do Beato Guido em uma futura comunidade, aproveitando ainda a chama que ficou acesa desde a beatificação.

O tempo passou, muitos fatos aconteceram, Pe. Camillo teve que deixar a paróquia e voltar a Coronel Fabriciano. A Congregação Xaveriana também deveria deixar a paróquia naquela época e mesmo assim a idéia da formação da nova comunidade ainda estava latente.

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE

E, enfim, houve a primeira reunião para a formação de fato da comunidade, occorrida no dia 06 de maio de 1998, na casa de Dona Onofra (D. Lelé) e Seu Natanael, às 20:00 horas. Cerca de trinta pessoas estavam presentes.

FOTO 1 Com. D. Guido

Houve uma discussão a respeito do nome a ser dado, pois as pessoas alegavam não conhecer a vida e a missão de Dom Guido. Houve, então, sugestões de padroeiros como: Divino Espírito Santo, Santo André, Nossa Senhora de Lourdes.

Em outras reuniões, porém, uma jovem chamada Eliana, que havia participado da Beatificação, distribuiu panfletos que contavam a vida do Beato, explicou sobre a missão e tudo o que viu na Itália para que as pessoas o conhecessem melhor e soubessem da sua importância, conseguindo convencê-los a permanecer com o nome sugerido pelo Pe. Camillo. A partir de então, já houve devoção ao bem-aventurado.

A comunidade continuou a se reunir e o primeiro trabalho da então Comunidade Dom Guido foi o de decorar a rua Guimarães Rosa para a passagem da procissão do Santíssimo Sacramento, na festa de Corpus Christi, no dia 11 de junho de 2008.

Foto 2

AS PRIMEIRAS CELEBRAÇÕES

A celebração da primeira missa aconteceu no dia 16 de junho de 2008, na casa de Ilza e Geraldo, às 20:00 horas, presidida pelo Pe. Giancarlo Coruzzi, o último xaveriano que trabalhou na paróquia.

FOTO 3 Com.Guido

A comunidade funcionou por um ano na casa da Ilza, depois mudou-se para um pequeno salão do Seu Jacir.

As reuniões continuaram a acontecer nas casas dos participantes e começaram a surgir as pastorais. A primeira pastoral foi a dos Ministros da Eucaristia, pois alguns deles já atuavam em outras comunidades anteriormente e já estavam preparados. A catequese se reunia numa escolinha. Surgiram também a Conferência de São Vicente de Paulo, o coral, o apostolado da oração e outras pastorais que iam se reunindo em outras casas.

Na primeira comemoração do padroeiro, em 1998, foi exibido um filme sobre a sua vida e foi celebrada uma missa no dia 05 de novembro.

No decorrer do tempo, a igreja foi recebendo doações: os bancos foram doados pelo Sr. Raimundo Nonato (o Natinho), vários objetos como mesas, cadeiras, arquivos, entre outros foram providenciados pelo Sr. José Feliciano (Seu Zé). Várias atividades também foram feitas para arrecadar fundos, como: festas juninas, vendas de comidas típicas como feijoadas no final das celebrações.

A SEDE DEFINITIVA

Pe. João Lucena, novo pároco, juntamente com alguns representantes da comunidade, conseguiram adquirir o lote para a construção da igreja.

Então foi realizado um mutirão para a construção. Sr. Jacir estava sempre à frente das obras com muita garra e dedicação. O povo estava fervoroso e esperançoso. E primeiro foi feita uma capelinha, inaugurada no primeiro dia do tríduo da segunda festa do padroeiro. Nesse dia, houve uma procissão do salão do Sr. Jacir até a capelinha, levando a foto do padroeiro, e, a partir de então, as celebrações seriam realizadas ali, na sede definitiva.

FOTO 4 DGuido

Ao lado da capelinha foi sendo construída uma igreja maior que acolheria com mais conforto, um maior número de fiéis, uma vez que a devoção ao Bem-Aventurado estava crescendo na região, até mesmo um hino foi composto em homenagem ao beato.

FOTO 5 D Guido

.

FOTO 6 D Guido

FOTO 7 D Guido

Devido a devoção ao Beato Guido Maria Conforti, um fato irá marcar para sempre a história desta comuniddade…

UMA HISTÓRIA DE DEVOÇÃO

Uma catequista muito dedicada chamada Nilda Rodrigues dos Apóstolos Reis, no decorrer da história dessa comunidade, se casou e engravidou. Porém, a primeira filha que esperava nasceu com seis meses de gestação e não conseguiu sobreviver. Nilda engravidou novamente, mas com alto risco de perder o bebê com o mesmo problema da primeira gravidez.

Em 2003, ocorreu que a criança nasceu prematura de seis meses, com menos de 700 gramas e ficou entre a vida e a morte. Enquanto estava na UTI neonatal, sofreu uma parada cardíaca e só após trinta minutos foi reanimada, quando já apresentava sinais de descerebração. Segundo relatos do prontuário médico, conferidos pelo Dr Antonio Paulo Alexandrino, (de Londrina, Pr) o paciente permaneceu vários dias entubado e com respiração mecânica, apresentou várias complicações infecciosas, tais como: peumonia, infecção ventricular cerebral e septicemia. Os médicos alertaram que a criança ficaria com seqüelas em conseqüência do tempo da parada cardíaca. Mas nada disso aconteceu. Como a mãe era muito devota do Beato Guido Conforti, pediu a intercessão do mesmo. A família de Nilda e toda a comunidade com o apoio do Pe. João Lucena rezaram durante a gestação, o nascimento e a recuperação do bebê, pedindo sempre a intercessão do Bem-Aventurado. E o menino, Tiago João dos Apóstolos Souza sobreviveu e vive normal. A criança fala, anda, e faz tudo de acordo com a sua idade. Os neuropediatras avaliaram e o diagnóstico foi satisfatório.

O milagre serviu como base para o início do processo de canonização do beato. Esse processo passou por oito sessões para a certificação do presumível milagre e da última sessão puderam participar vários familiares e pessoas da comunidade, testemunhas no processo. Estiveram presentes também os padres Alfiero Cláudio Ceresoli, vice-postulador para este caso e Guglielmo Câmera, postulador da Congregação dos Missionários Xaverianos, responsável por levar a Roma todo o processo e apresentar à Congregação para a Causa dos Santos.

O processo da santificação Já terminou. Os sete médicos  convocados peo Vaticano para opinar sobre o “caso” foram unânimes em afirmar que houve algo extraordinário com aquele menino que a medicina não explica, o que o fez sobreviver.

Os sete teólogos convocados para avaliar a questão, também concluíram que esta graça recebida pelo menino, tinha todos os indícios de ter sido alcançada por intercessão do Beato Guido Maria Conforti. No dia 11 de feveriro de 2011, o Papa bento XVI o declarou no ‘’concistório’’ público, a santidade de D. Guido Maria Conforti, cuja festa será celebrada dia 23 de outubro de 2011, onde os grupos de leigos que seguem os passos de Xavier e Conforti se farão presentes na praça de São Pedro em Roma.

FOTO 8 Com. D. Guido

Na foto acima, Tiago com um ano de idade.

FOTO 9 D Guido

Tiago já um pouco maior, andando de bicicleta.

O que aconteceu daí para frente outros irão contar…

Deus se fez presente no meio de nós por intermédio do nosso Amigo e Fundador, Guido Conforti.

Amigos de Xavier e Conforti

No dia 23 de outubro de 2011, foi realizada missa solene na praça de São Pedro em Roma, na Itália, quando o Papa Bento XVI presidiu a cerimônia de canonização do Beato Guido Maria Conforti, novo santo da Igreja Católica.

O novo santo missionário

Dom Guido Maria Conforti, Guido dos xaverianos, agora, São Guido de todos os homens.
Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.
Bendito, seja São Guido!
Bendito sejam os pais que o geraram.
Bendito seja o Espírito Santo que o inspirou e diante do crucifixo, o vocacionou para o sacerdócio e para fundar a congregação dos missionários xaverianos.
Bendito sejam os missionários xaverianos de todos os tempos. Aqueles que dedicaram as suas vidas, inclusive como mártires, abraçando a idéia de missão, que é fazer do mundo uma só família.
Bendito sejam os homens de boa vontade de todo o mundo que acolheram os xaverianos, as palavras de Jesus e se converteram.
Bendito sejam as pessoas que alcançaram alguma graça, pela intercessão de São Guido.
São Guido, o Brasil tem uma dívida enorme com você e os xaverianos que o seguiram. O Brasil está marcado para sempre com as pegadas destes missionários. Eles ergueram igrejas e formaram comunidades católicas, que herdaram um pouco do seu carisma missionário. Os xaverianos se identificaram muito com o Brasil e com o povo brasileiro. O Brasil foi e é um terreno fértil para a semente da boa nova e o coração do povo brasileiro é de grande fé. A mensagem missionária de São Guido de “fazer do mundo uma só família” é viva, atual e expressa a grande alma e amor que o santo tinha por todos os homens. A mensagem se resume numa só palavra: AMOR. O cristão que houve e compreende este apelo de amor, se torna inquieto, pois sente que o próprio Cristo é Quem pede alguma ação. A interpretação é que a ação deve ser feita para aquele que necessita de alguma coisa, no cotidiano de cada um. O irmão que recebe algum benefício representa o próprio Cristo. A missão é claro, pode ser desempenhada pelas mãos abençoadas dos missionários. Mas a interpretação da idéia de São Guido é maior. Como o Cristo, ele conta também com os leigos para esta missão de fazer do mundo uma só família. Isto deve ser experimentado na profissão ou função de cada um na sociedade e em todas as ações humanas a serem desenvolvidas no dia a dia. Assim, a mensagem é um agente transformador para as pessoas e desta forma a ação profissional se mistura a religião e não se pode separar uma da outra. Muda alguma coisa para aquele que recebe algum benefício da ação, mas, muda sobretudo também, transformando para melhor o coração de quem faz.
Obrigado senhor crucificado pela vocação de São Guido.
Obrigado Espírito Santo, por inspirar a mente de São Guido, o primeiro xaveriano.
Bendito seja São Guido pelo seu carisma missionário.
Bendito seja o novo santo missionário.
Interceda por nós e nos ajude a realizar o seu sonho de fazer do mundo uma só família.

Dos leigos amigos dos xaverianos.

Peregrinos de São Guido

Um grupo de 51 leigos foi à Itália para participar da canonização do beato Guido Maria Conforti, no dia 23 de outubro de 2011. Liderados pelo padre xaveriano, Camilo Didonè, este grupo passou pela cidade de Siena, onde estão as relíquias de Santa Catarina de Siena. Depois, por Assis, uma cidade cravada na encosta da montanha e cercada de lindas oliveiras. A visita à igreja, onde está sepultada Santa Clara e à igreja, onde estão sepultados, São Francisco de Assis e seus confrades foram pontos altos da viajem. A estratégia de passar primeiro nestes locais santos, teve conotação de preparação dos peregrinos para o que viria a acontecer em Roma. A história de amor destes santos, que viveram os ensinamentos de Cristo com tanta fidelidade, é um exemplo para os católicos. Diante da simplicidade do túmulo de São Francisco, foi possível rezar com devoção, sentindo um momento de forte espiritualidade. A simplicidade e bondade dele, de fato, eram marcas da sua grandeza. Com estas virtudes iniciou a missão e conseguiu dar um sopro de vida à igreja, tão carente na época. Assim, São Francisco nos ensina que os santos foram pessoas simples, mas ao mesmo tempo especiais, porque eles resolveram largar tudo e seguir completamente Alguém especial, o Cristo. Seguiram-No em seu dia a dia, e eram pessoas comuns. Assim, qualquer um pode ser santo, basta assumir Jesus.

PADRE CAMILLO

Em Roma, na manhã do dia 23 de outubro, a praça de São Pedro estava repleta de gente. O grupo se posicionou pelo menos a 50 metros de onde o papa Bento XVI passaria. Era uma manhã muito fria, mas o calor do coração dos fiéis esquentou a enorme praça. Todos estavam personalizados para São Guido. Com camiseta, lenço, boné amarelo e uma grande bandeira do Brasil completava o grupo. Ao fundo sob a fachada da basílica de São Pedro, as fotos dos beatos a serem canonizados, em tamanho grande. Ao centro, a foto do Beato Guido, a sua direita, da Beata Bonifácia e a esquerda, do Beato Luiz Guanela. A multidão estava em festa, bandeiras e faixas eram agitadas a todo instante. A Igreja estava reunida na praça, como D. Guido queria, parecia uma só família. Quando o Papa passou no papa-móvel rumo ao altar, foi possível vê-lo bem de pertinho. A multidão o saudou com palmas, agitação de bandeiras, faixas e o papa retribuiu como um pai de família acolhe os filhos quando chega em casa.

XAVERIANOS

Guido Maria Conforti, disse o Papa na homilia, “desde de criança deu prova de um caráter firme ao seguir a vontade de Deus. Na contemplação do Crucificado e com apenas trina anos, fundou uma família religiosa, somente para a evangelização, sob a proteção do grande apóstolo do Oriente São Francisco Xavier. Olhar o crucificado, lhe abria o horizonte do mundo inteiro, sentindo o urgente desejo, escondido no coração de toda pessoa, de receber e acolher o anúncio do único amor que salva.”

No dia seguinte, 24 de outubro, na basílica de São Paulo extra muros, houve uma missa muito bonita de ação de graças pela canonização. Nesta igreja está sepultado o apóstolo Paulo e durante a celebração foi intensa a sensação da presença do Espírito Santo. A missa foi celebrada nas diversas línguas das nações ali representadas e certamente, São Guido, naquele momento sorriu no paraíso, pois aquela congregação de pessoas foi uma amostra concreta do sonho de “fazer do mundo uma só família.”

BRASILEIROS

São Guido, rogai por nós!

Antonio Paulo alexandrino

A seguir veja como ficou bonita a ladainha de São Guido,  feita pelo nosso arcebispo que também participou da cerimônia de canonização em Roma.

Ladainha a S. Guido Maria Conforti

São Guido, chamado por Deus, desde a infância: Guiai-nos e protegei-nos

São Guido, devoto e seguidor do Crucifixo

São Guido, provado pela cruz das doenças

São Guido, devoto de S.Francisco Xavier

São Guido, Sacerdote e Bispo Missionário

São Guido, servo fiel e obediente à Divina Providência

São Guido, arauto do Evangelho nas famílias

São Guido, testemunha do amor pela Eucaristia, força da missão

São Guido, animador da devoção ao Santo Rosário

São Guido, Fundador da União Missionária do Clero

São Guido, ardoroso promotor da Missão Além-Fronteiras

São Guido, animador da catequese bíblica

São Guido, exemplo de bondade, ternura e alegria

São Guido, lutador contra os males da guerra e do modernismo

São Guido, profeta da missão no mundo moderno

São Guido, Fundador dos Missionários Xaverianos

São Guido, propagador da missão na China e no Mundo inteiro

São Guido, incansável peregrino nas visitas pastorais

São Guido, inspirador de um novo mundo como grande família

São Guido, homem de Deus e do amor ao martírio

São Guido, patrocinador, da missão local e mundial

Dom Orlando Brandes

Arcebispo de Londrina – Paraná

São Guido Maria Conforti

A igreja católica se tornou ainda mais atraente, fascinante e missionária com a canonização do Fundador dos Missionários Xaverianos, São Guido Maria Conforti. Eis um gigante missionário, um bispo diocesano que se tornou o novo Francisco Xavier da Missão além-fronteiras.
Seus pés estavam em Parma, sua diocese, mas o coração batia de amor e esperança pela missão na China. Desde, pequeno, Guido aprendeu a ser missionário diante do Crucifixo. Ele dizia: “O crucifixo me deu a vocação”. É assim que se ama. Eis o que é o amor. O sangue do Crucificado lavou os pecados do mundo. Os missionários doam seu sangue para a missão em todas as nações.
A missão consiste em anunciar o amor até ao sangue pela humanidade inteira. São Guido fez a experiência da cruz sofrendo em seu corpo doenças pulmonares, além da insônia que “atacava” seus nervos. Catorze padres deixaram o ministério pela influência do modernismo, porém, ele nunca perdeu a ternura, o sorriso e a bondade. Em sua diocese andava de carroça, de bicicleta, a cavalo e a pé. O que importava era a Missão, “fazer fiéis todos os infiéis”, dizia. Era uma personalidade cativante.
Diariamente Dom Guido estava diante do Sacrário que é força e segredo do missionário. Aos pés do Sacrário, o missionário se torna “vítima voluntária”, dizia.
Outro segredo de sua intrepidez missionária era a “Palavra de Deus” e a oração constante. Fundou em sua diocese a “Sociedade São Jerônimo”, cujo lema era: “O Evangelho em todas as famílias”. Confessava semanalmente e  diariamente rezava o rosário. Eis um verdadeiro discípulo missionário.
S. Guido soube cativar os sacerdotes para a missão. Fundou a “União Missionária do clero”, para despertar na igreja a consciência missionária. Ele ,via em tudo a mão da Divina Providência. Costumava dizer: “Aqui está o dedo de Deus”. Graças à Providência Divina ele estabeleceu contatos com a Santa Sé, recebeu o apoio do Papa Bento XV, Leão XIII e Pio X. Foi ele o grande motivador da encíclica sobre a missão: “Maximum illud” de Bento XV.
Em nossos dias a missão está de novo no começo. É preciso reavivá-la em toda igreja. A canonização de São Guido Conforti é um apelo, um alarme, um grito em favor da missão. “Deus não concluiu o livro dos prodígios”, escrevia. É verdade, pois com sua canonização os prodígios de Deus em favor da missão ecoam em nossos dias. De certo modo, todo católico deveria ter uma “alma xaveriana”, Isto é, um coração e pés missionários. São Guido, guiai-nos. São Guido Maria Conforti, confortai-nos. O Brasil foi a terra que Deus escolheu para realizar o milagre que levou São Guido aos altares. Que o Brasil seja santo e missionário

Dom Orlando Brandes
Arcebispo de Londrina

Vídeos

Buscar

Xaverianos pelo Mundo